terça-feira, 10 de novembro de 2015

Um Dia Manchado

A fome pelo poder a qualquer preço atingiu hoje o seu auge. Não há limites para quem está cego pela ganância e não consegue sequer ver a sua própria figura ao espelho. Que tristeza! Meter os interesses pessoais, o medo do esquecimento eterno (além da ausência de tacho) e da humilhação pública à frente do bem e interesses de toda uma nação. Brincar assim com um país inteiro. E o pior de tudo? Isso, pelos vistos, ser permitido. E pior ainda? No final da brincadeira isso ainda resultar.
Mesmo que haja forma de ainda pôr mão nisto e tudo volte aos eixos daqui a uns meses, até lá perdemos tempo precioso de recuperação e estabilidade, além do prejuízo gigante dos anos que vamos andar agora para trás com estes impasses, 100% fabricados por um grupo de maus perdedores. Vamos correr agora o risco de ter à frente do país um grupo de gente que nas últimas quatro semanas mostrou, com esta guerra inventada, que está a cagar de alto a baixo para o mesmo país? É a caça do poder a qualquer preço. Hoje li aqui um par de frases tão simples que vou deixar aqui a terminar este assunto, que tinha tanto por onde explorar e resmungar... Porque é este o sentimento geral hoje:


"Uma vez que os votos na coligação foram anulados, gostava de reaver o meu para, provavelmente, nunca mais voltar a exercer esse direito. 
Obrigada por me terem mostrado que, afinal, a democracia é um conceito vastíssimo e que mais não serve do que para servir interesses pessoais de gente disposta a tudo"


Ou a democracia mudou de conceito ou morreu por completo. Estou completamente abismada com o que aconteceu hoje. Como se já não houvesse respeito por nada e a partir de agora tudo fosse permitido. Que revolta enorme.

Sem comentários: