quarta-feira, 4 de setembro de 2013

O Des-Acordo


De início fiquei chateada com a introdução do acordo ortográfico. Achava estúpido ir alterar a nossa escrita para algo que não era a nossa identidade, algumas palavras não me faziam sentido, fazer isso só pelo Brasil, que tem a escrita derivada da nossa, não fazia sentido para mim. Fui das pessoas que mais esperou que aquilo fosse uma invenção provisória a ver se pegava, sempre com esperanças que a brincadeira voltasse atrás. No entanto, já li livros depois disso com o acordo, os jornais e revistas encaram-no desde o início como algo natural, as marcas até já mudaram os próprios logótipos. Eu também resolvi pacificar e, calmamente, ceder.

A minha esteticista brasileira uma vez comentou comigo o seu espanto pelo facto dos portugueses serem tão chatos, rancorosos e reclamões. Têm dificuldades em aceitar regras, reclamam de toda e qualquer mudança que se queira implementar, são piegas, fazem birra com tudo. Fazem resistência. Mesmo quando a mudança é para melhor. Nesse dia, eu só pude concordar. Ela explicou-me como se devem aceitar normalmente as coisas, sem stress, tudo aquilo que não podemos mudar é aceitar e seguir. Afinal, tudo tem os seus motivos e não vale a pena cansarmo-nos com tudo o que não concordamos, ou até andarmos a cansar-nos a tentar discordar de coisas quando podíamos parar de arranjar guerras!

Não é que agora eu já goste do acordo, mas desisti de tentar resistir a algo que afinal já não vai voltar atrás. Já percebi que é para ficar, os livros que leio já estão assim, todo o trabalho que faço para o nosso negócio leva o acordo, estou a escrever a minha tese com o acordo. A gestão que faço diariamente de várias páginas de facebook respeita o acordo. Com todas as adaptações, já fui mil e uma vezes aos conversores de linguagem online para confirmar as regras e estou cada vez mais a par de todas as palavras. Por tudo isto, e porque é natural que a escrita evolua, acho que não faz mais sentido continuar a resistir aqui neste pequeno blog numa escrita que já nem nas minhas conversas privadas eu utilizo. Até me baralho toda assim. Este blog passa a receber o acordo ortográfico e, se ele algum dia voltar atrás, ficamos amiguinhos como antes.

1 comentário:

Ju. disse...

O acordo até faz sentido em alguns casos, como nas consoantes que não se leem. Porém, não faz sentido na medida em que se torna impossível distingui o para do verbo parar da palavra para. Mas pronto, é comer e calar! xD
Beijinho*