sábado, 14 de setembro de 2013

It's all about chocolate


Ultimamente tem sido assim...
Nunca fui de comer chocolates. Passei a minha adolescência com complexos com o facto de me achar extremamente gorda, quando na verdade era bem magra (vá-se lá perceber a adolescência) e acabei por engordar um bocado na brincadeira das dietas malucas. Passei todos esses anos longe de chocolates e doces, com jejuns diários até ao jantar e maluqueiras afins, e isso só fazia pior e eu a ver. Graças a isso, tive uma vez o (curto) acompanhamento de uma nutricionista para perder os 5 quilinhos que tinha a mais e essa experiência mudou a minha vida. Aprendi a comer, fiquei para sempre super atenta a tudo o que diz respeito a nutrição, sou apaixonada e até um pouco viciada no tema e é algo que domino atualmente graças a esse período.

Mas o centro desta conversa era o chocolate... Aparentemente nunca precisei dele nem senti muito a falta, até voltar a experimentar, já nos meus 20's (em retrospetiva isto é patético. a adolescência é patética!). Graças aos meus hábitos saudáveis, agora sei comer tudo o que me apetece sem me sentir mal com isso e sem se notar nada na balança ou na minha saúde. O segredo está no equilíbrio massss... às vezes há fases piores e agora é oficial que estou numa delas. De carência emocional por alguns motivos e noto logo a diferença nos apetites. Fico com menos vontade de comida, quero frutas, iogurtes e asneiras. E, claro, o maior desejo e o maior amigo tem sido o chocolate. Está provado que dá felicidade, é calmante, tem mil vantagens nutricionais e, bem, é delicioso. Nem nos últimos dias, em que tentei controlar-me porque ontem fui fazer análises ao sangue, eu consegui fugir deste maldito - é no croissant, meu bolo favorito, é o bombom no café, é o chocolate negro que faz bem para o estudo (desculpas de mim para mim) e é o leite com chocolate agora sempre no meu frigorífico. Nunca percebi aquelas mulheres que se diziam viciadas em chocolate, achava uma palermice, mas agora é melhor ter cuidado para não vir a saber daquilo que elas falam.

Sem comentários: