sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Bad luck

Às vezes sinto que este blog está a tornar-se um muro de lamentações, mas tem a ver com esta fase estranha que estou a viver. Estou um bocado saturada de estar em casa diariamente, mensalmente, com este calor tão bom mas que aqui dentro é tão mau, a viver exclusivamente para o trabalho. Acho mau que as sextas-feiras 13 sejam garantidamente um dia bom para mim, dado que sou uma pessoa de azar. Hoje foi um dia bom para mim, saí de casa, gostei muito.
Na maior parte das vezes quero acreditar que passo pelos azares todos agora, para um dia ter sorte, mas já penso isto há tantos anos que o "um dia" deveria ser o agora e nada de melhor aconteceu nos entretantos.

Bem, a tentar avançar com a tese para poder vir mesmo a entregá-la um dia, não sobra tempo para muito mais e a isso não se pode chamar azar. Azar azar são todas as merdinhas que me aparecem no caminho a dificultar-me a vida, na maioria delas devido ao meu estado de ansiedade permanente por acabar isto tudo e passar à fase seguinte. Ele é alergias com borbulhinhas pelo corpo, é alergia no couro cabeludo, é o cabelo a cair muito, são as aftinhas na boca, as dores de crescimento, as noites mal dormidas que ajudam a isso tudo, as dores de cabeça e de costas derivadas disso tudo também. Bem, há coisas piores, mas que podia estar quieta a trabalhar nisto sem pensar nas merdinhas, isso podia.

Bad luck é ver o verão a caminhar para o fim e eu o ter visto inteiro pela janela e o ter passado entre quatro paredes. Bad luck é ele ainda estar aí em força a dar-me a última oportunidade, bem quente e cheio de dias lindos para oferecer e a malta ainda a aproveitá-lo, e eu com o calendário cada vez mais apertado, sem hipóteses de pensar sequer em poder vivê-lo. Bad luck é eu ter de ver a VFNO na televisão, quando o evento é um dos pontos altos do meu ano, está na minha agenda há mais de seis meses e nunca me tinha passado pela cabeça haver um motivo nesta vida (dentro da normalidade) que me fizesse perder a noite mais animada do ano nesta cidade. Bad luck é este ser só uma pontinha de tudo o que ando a ver passar e que tento não pensar, mas é impossível, porque é assim há demasiado tempo. E se no início (há anos) eu pensava "oh, não faz mal, para o ano estou lá! vale a pena abdicar agora", quando os anos afinal passam e passam e eu não estou lá nunca e nunca, a tolerância diminui bastante, a capacidade de concentração no que é preciso diminui e é inevitável começar a repensar tudo.

Há um ano atrás eu estava exatamente como agora, com um verão inteiro completamente perdido e nada na mão. Por outro lado, cheia de esperanças a pensar que nada teria sido em vão e logo de seguida ia ter a minha recompensa, porque esforço até ali não tinha faltado, não mesmo. Agora estou assim novamente, como se só um dia tivesse passado e não mais outro ano, convicta de que tudo está prestes a correr bem e a acreditar no que estou aqui a fazer, mas seriamente consciente de que não aguento mais uma desilusão do tamanho de anos de vida. É por isto que tenho uma única certeza neste momento: é agora ou nunca.


[Post escrito num mau momento. Mais um de muitos, mas isto passa e ganho forças que muitas vezes penso que já não tenho e tudo continua a andar. Até correr bem.]

Sem comentários: