quinta-feira, 18 de julho de 2013

Quick Breath

 

Sou uma pessoa de pequenos-almoços. Sou pessoa de comer pouco e cada vez menos, mas acordo com aquela vontade de iniciar bem o dia e preparar algo especial para mim, quase todos os dias diferente. Sabe tão bem! Mesmo que não haja vontade, é o pequeno-almoço. E para esse tenho sempre um espacinho e se for em dose-extra o meu corpo também não reclama e ainda dá pulinhos de alegria - só não posso fazê-lo dois dias seguidos ou ele habitua-se e eu tenho-o bem disciplinado. Afinal, quem não gosta de um bom brunch ou um pequeno-almoço de hotel, com opções que cobrem qualquer que seja a nossa vontade nessa manhã? A minha paixão pelo pequeno-almoço não é algo que me aprisiona, mas pelo contrário, que liberta a minha criatividade, me inspira muito e me deixa feliz. Mas falando nele, chegam-me as saudades.

Saudades de outros tempos, de outra calma na vida, de uma vida que já não existe e que era muito mais saudável. Quando havia tempo de parar para pensar, para escrever, para partilhar e partilhar, rir, sair muito. Saudades de começar o dia com alguma calma, merecer uma pausa de pequeno-almoço para dar início a um dia cheio de vitalidade. Saudades da minha vitalidade!
Agora o pequeno-almoço (e outras refeições) tem sido em frente ao computador e isso é algo que me tira a paz. É uma fase muito dura e agora uma nova, mais calma e mais organizada, virá de seguida. Vou buscá-la pelo bem ou pelo mal, mas eu vou tê-la. É tão merecida quanto necessária.

1 comentário:

Ju. disse...

Sim, e vais tê-la! Eu sou mais uma pessoa de lanches, de manhã ainda estou um bocadinho mal-disposta para comer muito.
Beijinho*