quinta-feira, 30 de maio de 2013

Empreender Mentalidades

O meu tema de tese vai ser agora o empreendedorismo. Pois, eu tinha dito há muitos meses atrás que seria outra coisa totalmente diferente, uma coisa que adorava e me arrepiava só de pensar, mas a vida dá voltas...

Não é o tema que tinha decidido em Setembro passado, mas é caso para me dar os tais arrepios na mesma. Acarinhei-o como se fosse só meu, quando há tão poucos estudos ainda sobre o tema e quando estou tão envolvida e apaixonada por ele. Mas de repente, em especial por culpa do Prós e Contras da semana passada, é o tema do dia. Desde a polémica à volta do Martim (sobre a qual tive vontade de me vir manifestar mas fui-me contendo porque detesto chatear-me), tenho visto novas notícias sobre o tema 'empreendedorismo', novos sites, portais, notícias de jovens "iguais" ao Martim por toda a parte. Hoje mesmo fui ver as novas capas da Visão e Sábado desta semana e uma delas era exclusivamente sobre "Miúdos que Criam Negócios - Empreendedorismo da Geração Sub-20". Enfim. Se por um lado fico contente por se valorizar o tema, os corajosos que tomam este rumo de vida e conhecer a cara por trás de tantos novos e bons negócios que existem agora (à custa de muitos esforços e sacríficios pessoais), por outro lado fico completamente triste pela banalização de um tema que é de tão grande importância e profundidade, tratado levianamente e como uma brincadeira, e inevitavelmente deixado nas bocas do mundo, deixado para ser criticado.

É este o lado negro do empreendedorismo. O lado negro não são os sacrifícios de vida do empreededor, porque esse fá-los por opção e por gosto, por paixão. O lado negro é banalizar um tema delicado e deixá-lo nas mãos (nas bocas) do povo, sujeito à crítica, sujeito à inveja - para ser mais directa. Porque, na generalidade, as pessoas não sabem criar. Em consequência disso, a sua posição perante quem cria é a de crítica, o espelho da inveja. Poderiam ser aplausos, reconhecimento, apreço por quem tem a coragem de ir em frente, arriscar e criar, mas não, isso é pedir muito para mentalidades tão pequeninas por este país fora. Criticar é a via mais fácil. A criticar eu sou grande. Elogiar os outros faz de mim pequenino! - as pessoas não podem fazer ideia de como este pensamento está errado.

O que escrevo não é mais que um desabafo, um vago desabafo, mas que pede para não seguirem na onda de ódios e invejas. Empreender pode ser uma moda para alguns, mas para a maioria neste mundo é algo de muito sério e complicado, e é muito triste ainda ser criticado depois de tantas lutas, em especial por pessoas que nunca experimentaram lutar por algo e muito menos sabem do que falam. Eu vou esperar que esta moda passe e os danos não permaneçam. Mas a mente pequenina do português, essa, para minha tristeza, nunca se vai alterar.

Sem comentários: