terça-feira, 2 de abril de 2013

As minhas dúvidas


Tenho uma dúvidazinha (entre tantas outras). Por que raio é que desde os meus tempos de escola eu tenho que tudo o que é raparigas de metro e meio a partilhar a sábia frase de um excerto de Alberto Caeiro "Porque eu sou do tamanho do que vejo. E não, do tamanho da minha altura"
Sei que nesses meus tempos nem facebook havia cá, mas era ver a frase nas paredes dos quartos delas, nos cadernos, nos status do messengers. Agora é mesmo pelo facebook e vejo tantas vezes que só me pergunto: mas será que não sabem que do génio de Fernando Pessoa não nasceu essa frase a falar literalmente da altura das pessoas? Que altura pensavam que o senhor tinha? A metáfora é lindíssima e tem tanto significado que não gosto de vê-la tantas vezes mal usada. Essas pessoas, as que usam indiscriminadamente essa e outras frases sem querer saber o seu verdadeiro sentido, lembram-me as que estão descritas no último verso deste lindo poema do heterónimo :)


"Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver no Universo...
Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista à chave,
Escondem o horizonte, empurram o nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a nossa única riqueza é ver."

Alberto Caeiro

2 comentários:

Filomena disse...

Não conhecia este poema ... só posso dizer que amei!!!
Boa semana

Ju. disse...

A maior parte das pessoas partilha porque fica bem... Afinal, falamos de Fernando Pessoa, um senhor que até é conhecido e tal, né?
Beijinho*