domingo, 18 de setembro de 2011

Balanço

Então mas já acabou? É assim desde sempre, nunca dou pelas férias a chegar ao fim. E detesto quando chegam, mais ainda quando não fiz nada das listas de afazeres que crio antes de começarem. Porque caio sempre neste erro? Este ano li numa das minhas revistas "não seja daquelas loucas que quer cumprir nas férias de Verão tudo o que não conseguiu durante o ano". Pois bem, eu sou uma dessas loucas, mas penso que de uma vez por todas aprendi que desta forma nem faço muito dessas tarefas nem vivo as férias em descanso - no way.

O período de férias não correu bem, não deu para notar muito por aqui mas estive quase sempre em baixo. Pensei muito sobre tudo e só constatei a toda a hora que a minha vida está a mudar muito. Eu já não pertenço ali, na verdade nunca pertenci. Contam os meus familiares que em pequena, diga-se no máximo com três anos, já chorava todos os fins-de-semana a pedir que me levassem dali - porque toda a restante família é de fora, sempre vivi naquela terrinha completamente isolada e sem escapatória possível. O meu escape sempre foram os estudos. A escola ficava na cidade e quando me apanhei lá a estudar, voltava para casa no último autocarro, por mais cedo que terminassem as minhas aulas. O meu grito de alívio foi quando entrei para a universidade em Lisboa. Mas isto são outras conversas...
A verdade é que está na hora de mudar e avançar. Sempre quis lutar pelo meu espaço mas nunca tive como o fazer. Agora é tempo de novo rumo porque a minha vida já não passa por ali, onde já não avança nem tem espaço de progressão. Onde sou obrigada a fazer "vida de filha" e onde só se vivem as regras da vida em família, especialmente o lado mau disso. Onde não posso pensar em mim e no que tenho de facto para resolver e evoluir - e posso garantir que isto não é uma perspectiva egocêntrica da situação, há uma altura em que as coisas mudam e não há nada a fazer. A minha vida já não passa por ali.
Podia estar a falar desta situação cheia de nostalgia, o que teria tudo a ver comigo e na verdade ela está sempre aqui. Mas o rumo que as coisas levaram fez-me ansiar esta mudança e não conseguir esperar mais por ela. Porque nunca tive medo da mudança, sempre a procurei e sempre a tive na minha vida, continuo sempre a procurá-la e nunca me acomodo. Mal tenho oportunidade, mudo. Porque para melhor muda-se sempre. Também raramente estou satisfeita por completo, talvez isso me faça sempre procurar algo melhor. Dizia Fernando Pessoa que feliz é aquele que não se conforma porque procura sempre por melhor e assim a sociedade evolui... Sempre me revi neste pensamento.
Seja pelo que for, sei que se fecha aqui um ciclo, talvez seja mesmo hoje o dia em que termina. Sei que foi a última vez que passei umas férias deste tipo, em que tempo não me faltava, mas em que o desperdiçava em pensamentos profundamente tristes e a chorar por me sentir tão presa e incapaz de ser eu própria. Eu não sou aquilo, sou alegre e cheia de vontade de viver, só não ali e nem daquela forma. Isolada? Nunca. Parada, muito menos. Nunca vou aprender a estar parada, no máximo hei-de aprender a descansar, mas estar parada não é para mim. Estou sempre a preparar alguma coisa, ai se eu tivesse tempo para mais...
Sei que o caminho da independência implica muitas responsabilidades, mas nunca estive tão preparada. Agora vou lutar e assistir ao decorrer das coisas... Para que um dia destes possa voltar a ser eu.

1 comentário:

NathaN disse...

Aproveita agora no Mestrado para aproveitares bem a tua vida de Rebeldia :P Estás em Lisboa, com a tua irmã bem perto, com o teu namorado... Isso para mim é um sonho inalcançável durante muitos meses :X Lucky you! Mas sim, viver nesta zona aqui é que não... lê o meu post 95 e vê lá se nao concordas ;)