quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Tenho um problema


Quem me dera, como eu gostava que as revistas femininas, essas desgraçadas que não resisto a comprar todos os meses, servissem como decoração de interiores ou como qualquer outra utilidade, desde que tivessem realmente uma função depois de lidas e relidas. Tenho tantas mas tantas destas empilhadas, muitas nem tive tempo de começar a ler, algumas têm mesmo o plástico à volta, numa situação de extremo ridículo. Às vezes dou por mim a pensar no que farão as pessoas normais às revistas que compram. É suposto deitar fora toda a minha assinatura da Vogue? Deitar para o lixo todas as dicas e artigos interessantes da Máxima ou da Elle? É complicado gerir isto, até porque qualquer dia tenho de criar um compartimento só para as queridas revistas, nas quais provavelmente nem voltarei a tocar, tal como outras pessoas têm quartos só para roupa ou sapatos. Eu tenho revistas e, tenho de admitir, tenho aqui um problema.

4 comentários:

Sofia disse...

A solução seria deitar fora, pois. Já que se sabe que nunca mais lhes pegas, depois de as ler. Mas é triste, e se fizeres as contas... é muito dinheiro no lixo.

teorianasnuvens disse...

Pois, ou arranjas um armazem par guardar tudo ou começas a activar o modo reciclagem ;)

Joana disse...

Ya, tens um problema =D
eu compro a Activa só naquela, e depois dou à minha mãe, que depois de ler acho que mete no Ecoponto =P

Isabel G. disse...

Como eu compreendo esse problema!!! Já passei por isso e ainda passo :) Há uns tempos tive que deitar fora (ai que até dói escrever isto...) uma preciosa colecção de Vogues, Elles, etc, americanas, inglesas, italianas dsde os anos 90. Foi duro mas teve que ser! Fiquei só com algumas (poucas) em jeito de relíquia. Por isso, força!! :))

bjs