quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Quando as coisas acontecem mesmo

Eu estava de partida para uma consulta Lisboa no momento da derrocada em São Bernardino. É o fim de mundo onde moro, mas é a praia a que vou todos os dias, nem dava para acreditar quando soube. Apesar de ser difícil de acreditar, toda a gente sabe que podia vir a acontecer, não fossem as quatro ou cinco placas ao longo das rochas a avisar que é uma zona de perigo de morte. As pessoas não sabem o que é a hipótese de morrer? Ou não se importam minimamente com essa possibilidade? A mim importa tanto que nunca fui para aquela zona. Será que é só a mim que ocorre que não compensa perder a vida por um pouco menos de vento na praia? Não sei o que é preciso mais para deter as pessoas que fazem dessas placas um suporte para as suas roupas na praia e as ignoram por completo. Arame farpado à volta? Não devia ser necessário, as pessoas deviam ter consciência.

Fiquei só um dia em Lisboa, ontem voltei e hoje já fui à minha praia. Nunca imaginei umas pedras daquele tamanho. Nunca imaginei que aquelas pessoas tivesses tido tanta sorte, quantas delas podiam ter morrido ali debaixo! Felizmente foi um dia em que quase chovia, a praia estava vazia, ou teria sido um grande desastre. Agora o aviso de perigo é real e as pessoas já sabem que talvez não seja boa ideia brincar com a vida. Resta saber é se no próximo ano ainda se lembram disso...
Deixo umas fotos de hoje.


1 comentário:

Susy disse...

A nossa praia é linda, no entanto nada é perfeito e as pessoas não teem noção nenhuma!

Tiveram Muita sorte!