quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Porque também tenho uma opinião


E porque a morte do Carlos Castro também me deixou a pensar. Não no homem, não o conhecia, mas no que são as pessoas e, nesse caso, a imagem fala por mim. Nunca conhecemos realmente bem uma pessoa, nunca sabemos do que ela é capaz. No fundo, acho que nem cada um sabe até onde pode ir quando desespera por algo.
Ninguém sabe o que se passou ali ao certo, mas sabe-se é que o rapaz - que é certamente o melhor rapaz no mundo, lá está - cometeu um crime e tudo a troco de quê? Tudo por uma ambição desmedida que foi alimentando e foi crescendo e o levou a este fim.
Podia ter sido diferente, ele podia nunca ter ido ao concurso ou ter feito outras opções e hoje ser um rapazinho normal, mas nos dias de hoje isso das banalidades da vida (amigos, estudos... anonimato?) não interessa a ninguém, só a fama e o dinheiro importam realmente.
Estava aqui a estudar para o meu exame de sociologia (de amanhã), quando encontrei uma frase muito boa:

"As paixões naturais são boas porque induzem à paz consigo e com os outros: servem a (...) manutenção da paz interior (ausência de frustração ou amargura) de cada um e não conduzem ao conflito com os outros. Só as paixões que a sociedade traz conduzem a espirais de desejos e ambições nunca satisfeitas e levam à humilhação e destruição dos outros"

1 comentário:

Sofia disse...

Ora aí está.. As "paixões que a sociedade traz" não são paixões nenhumas pahh