terça-feira, 26 de outubro de 2010

Sinto-me pequenina

Pequenina e insignificante a cada dia que passo nesta faculdade. Aqui estou rodeada todos os dias de professores que são grandes figuras nacionais, de carreiras brilhantes e com um dia-a-dia tão cheio e de tal importância que tornam estranha a perspectiva sobre a minha vida. Hoje a minha professora da última aula que tive começou por dizer que tinha acabado de chegar de Nova Iorque, onde esteve 5 dias a dar aulas e em conferências (apesar de não ter contado maravilhas sobre a cidade), directamente para a nossa aula. Ali ficámos reduzidos à nossa insignificância a ouvir os relatos dela, que por acaso não duraram mais que 3 ou 4 minutos. Antes disto tudo estudou em Oxford e já fez tanta coisa pelo caminho, agora dá-nos umas quantas aulas de Corporate Finance. Isto é apenas um pequeno episódio daquilo que vivo todos os dias.

Como se não bastasse, esta é a faculdade dos meninos ricos, dos filhos das personalidades e ainda pessoal da televisão. No fim desta mesma aula restava eu e um ex-actor dos morangos, que fazia perguntas sobre o regime de avaliação. Eu tinha mesmo de saber que ele vai passar este e o próximo fim-de-semana em Madrid, que vai faltar este semestre porque vai estar no Canadá a fazer curtas metragens e ainda que a partir do próximo ano vai começar um curso no Brasil, após terminar este por aqui? Isto pago pela tv. Eu tinha de saber isto tudo? Não tinha, não.
Agora que acabei de desabafar deixem-me regressar ao meu mundinho pequeno, que se resume a Portugal.